quinta-feira, 23 de julho de 2009

Crime, criminho e crimão - Lula ataca de jurista - Agora não falta mais nada

A pérola imbatível da semana saiu de Lula: “É preciso saber o tamanho do crime. Uma coisa é você matar, outra coisa é você roubar, outra coisa é você pedir emprego, outra coisa é relação de influência, outra coisa é o lobby. Tem que fazer as investigações corretas”

Agora não falta mais nada gente. Crime, criminho, crimão, crimico... Criar cargos aos borbotões e dividí-los com parentes, amigos e aliados é contravenção leve no código moral de nosso presidente.

Pra quem conseguiu empurrar o mensalão pra debaixo do tapete dos anais da história política deste país, ato secreto é pinto mesmo.

***************************

'Não podemos tratar tudo como se fosse crime de pena de morte', diz Lula

Lula comentou escutas de telefonemas de Sarney divulgadas na terça.
Ele falou que espera que PT saiba da 'importância' de aliança em SP.

Do G1 em São Paulo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quinta-feira (23), que é preciso “investigar” antes de “julgar” as denúncias divulgadas contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB). Em entrevista à Rádio Globo de São Paulo nesta manhã, Lula foi questionado sobre as escutas de telefonemas entre Sarney e o filho, o empresário Fernando Sarney.




Ouça o áudio da entrevista à Rádio Globo São Paulo:

Ouvir
EXCLUSIVO!
Sem citar Sarney, presidente Lula diz que 'é preciso diferenciar os crimes'



“Não podemos tratar tudo como se fosse um crime de pena de morte”, disse o presidente. “É preciso saber o tamanho do crime. Uma coisa é você matar, outra coisa é você roubar, outra coisa é você pedir emprego, outra coisa é relação de influência, outra coisa é o lobby. Tem que fazer as investigações corretas”, disse Lula. "O que precisamos é não cometer um crime antecipado."


“Eu não posso entender que cada pessoa que tem denúncia tem que renunciar o seu cargo, antes de ser julgado, investigado”, disse, sobre Sarney.

O presidente afirmou que, no discurso feito na cerimônia de posse do novo procurador-geral da República na quarta-feira, disse que o Ministério Púbico, “como instituição poderosa”, tem que cumprir a lei ao pé da letra “sem ceder à pressões do executivo, da impresa e do legislativo”.

Um comentário:

  1. Segundo o código penal, crime é crime, o que diferencia é a pena segundo a gravidado do ato. Hum... seria a pena neste caso.... Creio que votar em outro cadidato que seja do governo nas eleções é a melhor penalidade.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante aqui. Ao comentar você nos incentiva a continuar nosso trabalho. Responderei neste mesmo espaço. Vamos prosear...